Blog

Como usar o Marketing Social para captar patrocínio via Lei Rouanet (e outras leis de incentivo)

Sim, o tão falado marketing está de volta em mais um artigo nessa imensidão que é a internet! Nunca é demais falar de uma ferramenta tão eficiente como essa, principalmente para quem quer captar patrocínio.

Com certeza você deve saber que após toda a burocracia e aprovação do seu projeto via Lei Rouanet – ou alguma outra lei de incentivo – o passo seguinte é partir a procura de empresas que podem patrocinar e viabilizar financeiramente o seu projeto.

Para isso, existem várias técnicas que ajudam na hora de abordar os empresários, montar o seu projeto e até mesmo argumentar a favor dele. E por falar nisso, caso você precise de uma ajuda para montar um projeto de ouro, veja o nosso artigo que fala exatamente sobre isso!

No mais, um tempo atrás nós postamos um artigo com 6 argumentos infalíveis para captar patrocínio, que você pode relembrar clicando neste link, e uma dessas dicas falava sobre o Marketing Social, que é justamente o assunto que iremos estender aqui hoje.

Mas, o que é o Marketing Social?

Antes de mais nada, precisamos definir de fato sobre o que vamos discutir, pois o foco aqui é como utilizar a ferramenta para aumentar suas chances de conseguir um patrocínio para o seu projeto aprovado.

Segundo o portal especializado Rock Content, o Marketing Social é um termo cunhado por Philip Kotler, que define como uma prática em que os princípios do marketing tradicional são utilizados para promover causas sociais, propagar ideias, atitudes e comportamentos socialmente conscientes e focados no bem-estar coletivo.

Ou seja, o marketing por essência foi feito para vender visando o lucro, porém no marketing social o lucro é consequência, pois o objetivo é melhorar a sociedade da forma mais transformadora possível.

Um novo norte definido

Antigamente, o marketing social era um diferencial de algumas empresas, que apoiavam a sociedade de alguma forma em suas campanhas publicitárias e ações de marketing. Mas hoje isso mudou, e utilizar desta ferramenta tornou-se fator fundamental para se conseguir se conectar com seu público alvo.

A preocupação com o meio ambiente, combate ao preconceito e inclusão de minorias são só alguns exemplos dos pontos de foco que a maioria das empresas hoje em dia investem seus esforços.

E sabendo disso, você artista deve se atentar para esta nova versão da publicidade, fazendo com que o seu projeto converse diretamente com princípios do Marketing Social, pois já será um empurrão a mais para que a empresa goste do estará vendo.

A dica de ouro

Como o Marketing Social é algo familiarizado apenas por empresas e publicitários majoritariamente, poucos artistas e produtores culturais conhecem o potencial que ele pode trazer na hora H de se convencer o cliente a patrocinar o seu projeto.

Para começar, antes de tudo, é importante que o seu próprio material já seja algo positivo perante a sociedade, utilizando energia limpa, sendo a favor da coleta e separação de lixo além de ser naturalmente inclusivo, seja um evento que inclua pessoas com necessidades especiais, minorias e classes sociais menos favorecidas.

Tome o hábito de utilizar pesquisas em suas apresentações de projeto, pois assim você ativa um gatilho mental de prova, ou seja, você utiliza de fatos e testes que outras pessoas já fizeram para aumentar a credibilidade do que você está falando. Dessa forma é mais fácil deixar claro para a empresa que está negociando quais são seus pontos e quais resultados eles podem alcançar.

E lembrando que o foco principal é o apoio a essas pessoas, seja promovendo o acesso à cultura, seja auxiliando na qualidade de vida dele. É muito importante salientar isso: no Marketing Social o lucro é consequência das ações dessa ferramenta, podendo agregar mais valor a marca do que outras estratégias de publicidade.

A carta na manga da Lei Rouanet

E quem teve o projeto aprovado na Lei Rouanet já possui um trunfo, pois a lei de incentivo já garante algumas obrigatoriedades quanto a reserva de ingressos, já que 20% da carga dos ingressos ou produtos devem ser destinados a pessoas em vulnerabilidade social. E sabendo disso, torna-se um argumento fortíssimo para se utilizar com as empresa, pois elas já estarão cumprindo com o papel do Marketing Social.

Mais ainda, parte da verba é destinada para professores e estudantes de escolas públicas, que é basicamente 50% do público de qualquer projeto artístico. Então, logo de cara você já possui duas frentes sociais muito importantes que já veem embutidas na Lei Rouanet.

O superpoder dos artistas

Se o objetivo das empresas é justamente transformar seus cliente em seus fãs, nada melhor que um artista para mostrar o caminho das pedras, pois não há classe nenhuma melhor no mundo para gerar sensações e experiências do que a classe artística. E justamente por isso, a classe poderá aumentar a fidelização e admiração pela empresa. E isso não é uma ideia utópica, é só ver o que empresas como Magalu e NuBank fazem, arrastando legiões de fãs… de empresas!

Para um conteúdo adicional sobre o Marketing Social, dê uma olhada no vídeo de mesma alcunha deste artigo e comece agora mesmo a implementar essa ferramenta em todas as suas reuniões de captação de patrocínio.

Até mais!

*Escrito por Lucas Monteiro baseado na Live de Flávio Nardelli.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como podemos te ajudar?