Blog

5 dicas para maximizar o ROI e ROO em projetos culturais e obter mais patrocínios

5 dicas para maximizar o ROI e ROO em projetos culturais e obter mais patrocínios

 

Quando um empreendimento patrocina um projeto cultural, ele espera conquistar bons resultados. Os efeitos dependem das expectativas de cada negócio e são medidos, em geral, pelo ROI e ROO em projetos culturais.

Siglas para Retorno sobre Investimento e Retorno sobre Objetivos, respectivamente, são métodos para conhecer o retorno dos valores e verificar se as metas foram cumpridas. Contudo, é importante pensar que a obtenção de efeitos por meio do patrocínio é multifatorial. Não existe uma fórmula exata e é papel do produtor cultural ajudar o empreendimento a ampliar esses resultados.

Com ações voltadas para maximizar o ROI e ROO em projetos culturais, é possível consolidar mais patrocínios e posicionar-se com destaque no mercado. Para descobrir como fazer, veja 5 dicas!

1. Crie experiências únicas e que integrem as marcas

Aumentar a exposição de marca já não é a principal forma de maximizar os resultados do patrocínio cultural. Mais importante que o alcance é o engajamento e, por isso, é essencial pensar em novos modos de criar experiências únicas.

Como produtor cultural, é interessante trazer novas possibilidades de ativação de marca e de gerar uma boa impressão permanente no público. É preciso ir além da oferta de amostras grátis ou da apresentação da logo no telão. O pensamento deve estar voltado para criar experiências que façam sentido para os participantes e que se integrem de maneira orgânica.

Um dos exemplos clássicos é a parceria entre a Heineken e o Rock in Rio. Desde 2011, a marca de cerveja patrocina o evento e oferece milhares de litros de chope e camarotes personalizados. Porém, o que realmente conta como experiência é a famosa tirolesa do festival, trazida pela empresa.

Uma atração mais procurada que alguns shows, o brinquedo já foi utilizado até por artistas internacionais e ganhou máxima projeção. Com isso, a marca consegue criar uma experiência radical única para os espectadores de interesse, a partir de ações da sua plataforma conhecida como #LiveYourMusic.

2. Ofereça conteúdo exclusivo

Outro modo de maximizar o ROI e o ROO em projetos culturais é por meio da oferta de conteúdo único e exclusivo. Os patrocinadores devem entender que não se trata de expor a logo ao máximo, mas, sim, de gerar conteúdo relevante para o público. Como resultado, há um aumento na competitividade e na ligação emocional com as pessoas de interesse. Nas redes sociais, conteúdo autêntico e único contribui para o engajamento.

O conteúdo exclusivo surge de várias formas, como ao contar com mensagens e gravações exclusivas dos artistas participantes. Também é possível oferecer filmagens de bastidores, criar entrevistas para divulgação posterior e até estabelecer novas experiências por meio da parceria.

Um exemplo de uso dessa tática ocorreu entre o time Chicago Bulls e o banco BMO Harris Bank. Para atingir uma audiência mais jovem, o time e a marca criaram uma série de quatro vídeos para o Snapchat.

Com a presença das animadoras de torcida e dos mascotes do time e do banco, as peças de conteúdo trouxeram entretenimento e divulgação de forma natural. Com a parceria, o banco conseguiu atingir a parcela jovem do público e reforçar a marca.

3. Ofereça acesso aos dados e ajuda para realizar a medição

Uma das grandes dificuldades que os patrocinadores têm é medir o ROI e ROO em projetos culturais do jeito certo. Em parte, é algo que se deve ao caráter subjetivo e multifatorial da análise, que exige uma verificação de vários resultados. Porém, muitos não conseguem acompanhar os efeitos como deveriam porque não têm experiência e não sabem por onde começar.

Os produtores culturais podem ajudar oferecendo seu know-how sobre o mercado. Quando você agrega seu conhecimento para medir o desempenho ou mesmo designa uma equipe para elaborar relatórios pós-evento, a impressão causada no patrocinador é muito positiva.

Uma das formas de fazer isso é gerar análises das menções e alcance em mídias sociais, compartilhar informações sobre o público presente e mostrar impactos sobre a marca. Com a compilação dessas elaborações em um relatório, o empreendimento visualizará melhor quais foram os efeitos da estratégia.

Também é possível compartilhar dados em busca de um resultado comum, como aconteceu entre TED e Rolex, que são parceiros de longa data. Por meio do compartilhamento de informações, as empresas criaram um aplicativo que oferecia a palestra TED ideal para o usuário, de acordo com o tempo disponível e as experiências desejadas. Os dados do comportamento dos espectadores foi compartilhado com a patrocinadora e, além de gerar mais visualizações para as palestras, permitiu que a Rolex conhecesse melhor os interesses do público.

4. Amplie a Responsabilidade Social Corporativa

A Corporate Social Responsibility (CSR) — ou Responsabilidade Social Corporativa — é um fator que demonstra a preocupação de um negócio com as questões sociais. Para os consumidores, isso tem ganhado relevância. Entre os Millennials (geração da internet) , 73% estão dispostos a pagar mais por uma marca responsável e 81% esperam que a marca faça declarações a esse respeito.

Para maximizar o ROI e ROO em projetos culturais, é interessante oferecer uma abordagem nesse sentido. Contrapartidas sociais diferenciadas permitem que o negócio se posicione em tal espectro e colha mais frutos.

O patrocínio da Whirlpool para a ONG Habitat for Humanity demonstra esse efeito. A ação de caridade faz parte do papel de responsabilidade social da empresa e ajuda a consolidá-la nesse quesito. O acompanhamento dos resultados também demonstrou que a ação levou ao aumento da fidelidade à marca.

5. Ofereça a possibilidade de patrocínio por meio das leis de incentivo

O ROI e o ROO em projetos culturais estão ligados aos custos, ganhos e objetivos alcançados. Se a empresa puder obter as contrapartidas e, ao mesmo tempo, não ter gastos extras com a alocação de recursos, os efeitos percebidos serão melhores. Para maximizar essas métricas, portanto, também é indicado ter projetos de captação aprovados pelas leis de incentivo fiscal.

Ao contar com um projeto aprovado pela Lei Rouanet, por exemplo, o empreendimento poderá patrocinar o projeto com um valor de até 4% do seu Imposto de Renda, com abatimento de 100% deste valor na próxima declaração. Se a empresa paga R$ 10 milhões de IR, poderá oferecer R$ 400 mil de patrocínio. Na próxima declaração, pagará apenas R$ 9,6 milhões. Na prática, o patrocínio sai de graça.

Para tornar tudo ainda mais atraente, é igualmente válido utilizar outras leis regionais. Em São Paulo, há o ProAc SP, de modo que as empresas podem obter descontos de ICMS. O patrocínio também sai de graça e, com isso, há um aumento no retorno.

Maximizar o ROI e ROO em projetos culturais é essencial para conquistar mais patrocínios. Ao colocar essas dicas em prática, seu projeto se tornará atraente e os patrocinadores ficarão satisfeitos.

Como atingir esses efeitos não é tão simples, ter a ajuda de quem entende do ramo é fundamental. Por isso, entre em contato conosco e veja como podemos orientá-lo!