Blog

Conheça agora 9 grandes e médias empresas que patrocinam projetos culturais no Brasil

Conheça agora 9 grandes e médias empresas que patrocinam projetos culturais no Brasil

 

Você sabia que a captação de recursos via Lei Rouanet cresceu quase 100 vezes nos últimos 20 anos? De R$ 111 milhões em 1996, o valor passou para R$ 1,13 bilhão em 2016. Essa é apenas uma das demonstrações de que o mercado cultural está cada vez mais aquecido. Em parte, isso se deve às empresas que patrocinam projetos culturais no Brasil.

Devido à variedade de possibilidades, estabelecimentos de vários tamanhos podem recorrer a essa alternativa. O único requisito é que a empresa esteja em regime tributário de Lucro Real. Mesmo os negócios de porte médio utilizam tal oportunidade, então, não faltam boas opções para solicitar apoio.

Para se inspirar, conheça empresas que patrocinam projetos culturais e saiba o que elas obtêm com isso!

Como os negócios têm se beneficiado?

Em troca da oferta de recurso, muitos empreendimentos recebem incentivos fiscais. Quando o processo de captação ocorre por meio das leis de incentivo, há um pagamento reduzido de impostos.

Na Lei Rouanet, por exemplo, a empresa pode patrocinar até 4% do seu Imposto de Renda e abater o valor na próxima declaração. Se o estabelecimento paga R$ 5 milhões de IR, poderá patrocinar R$ 200 mil e pagar R$ 4,8 milhões na próxima declaração. Ou seja, o patrocínio sai de graça.

Além de tudo, há as contrapartidas oferecidas pelos projetos culturais. Elas vêm em diferentes formas:

  • naming rights;
  • product placement;
  • ativação de marca;
  • aumento de brand awareness;
  • divulgação nas redes sociais;
  • conteúdo exclusivo;
  • fortalecimento do relacionamento com o público;
  • aumento da fidelização e assim por diante.

Então, os negócios que fazem investimentos aproveitam para atingir novos resultados estratégicos por meio dessa abordagem.

Quais são as grandes empresas que patrocinam projetos culturais no Brasil?

Para saber a quais empreendimentos recorrer, vale a pena conhecer alguns negócios de grande porte que adotam esse patrocínio. Se quiser explorar as ações, veja algumas instituições.

1. BNDES

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem foco no patrocínio de projetos de música e literatura. Um dos principais cases do empreendimento é a Feira Literária Internacional de Paraty (Flip).

Em 2017, outras realizações apoiadas foram a Mostra de Cinema de Ouro Preto, o Festival de Cinema de Gramado e o Festival Internacional de Música Clássica de João Pessoa. Em relação ao entretenimento, o Copacabana Réveillon 2018 também aparece na lista.

O patrocínio desses eventos ajuda a consolidar a instituição como uma referência de desenvolvimento no Brasil. O grande alcance dessas realizações também fortalece e divulga a marca com maior intensidade.

2. Cielo

Já a Cielo disponibiliza recursos para projetos em vários segmentos, da gastronomia ao teatro. As atividades são espalhadas pelo país, como o Food.Art.Music, o Projeto Tempero no Forte em Salvador e o Festival de Teatro de Curitiba.

As ações servem, principalmente, para conectar a marca com o público de interesse e até para aumentar a fidelidade. Além de tudo, a empresa busca realizações que movimentem a economia local, o que ainda ajuda na consolidação de novos negócios.

3. Faber-Castell

Para obter alinhamento com os seus valores — especialmente a responsabilidade social —, a Faber-Castell está entre as empresas que patrocinam projetos culturais.

Uma realização que recebeu apoio foi a exposição “A Era Heroica: o Universo DC Comics por Ivan Reis”, no Memorial da América Latina. Enquanto isso, a abordagem “Caminhos para Leitura” criou uma biblioteca itinerante para estimular a leitura desde cedo.

Todas essas ações demonstram o interesse da marca em integrar as pessoas e elevar sua participação cultural. Além de melhorar a divulgação do negócio, é um jeito de aumentar a responsabilidade social corporativa (CSR).

4. Chevron

A Chevron tem buscado projetos que valorizem e incentivem a propagação da cultura brasileira. O filme “Dois Filhos de Francisco”, por exemplo, contou com o incentivo do empreendimento. Outros incluem a série de palestras “Mulheres que inspiram mulheres” e a Mostra PUC.

Os patrocínios ajudam a aproximar a Chevron da cultura brasileira e a posicionar essa organização como uma opção que se preocupa com o impacto na comunidade. É um jeito de ativar a marca em vários pontos e obter mais reconhecimento por parte do público.

5. Coca-Cola

A Coca-Cola, uma das maiores empresas do mundo, atua no patrocínio de realizações brasileiras de diversos tipos. No Amazonas, por exemplo, apoiou o Amazonas Film Festival e o Festival Folclórico de Parintins, com cotas iguais para o Boi Caprichoso e para o Boi Garantido. Também já realizou patrocínios do Super Rio Expofood e do Forró de Curvelo.

As abordagens ajudam a marca a se conectar com todas as pontas do país e se tornar uma opção em afinidade com a cultura local. Além de tudo, elas são essenciais para aproximá-la dos clientes e gerar uma diferenciação extra no mercado de bebidas.

6. Usiminas

A Usiminas, por meio de seu instituto cultural, abraça vários projetos. As ações incluem a Feira de Turismo do Vale do Aço, a Série MPB e o programa Arte em Família. Como mantém o Centro Cultural Usiminas e o Teatro Zélia Olguin, a marca ainda favorece a realização de diversos eventos.

Isso serve para que a empresa gere um impacto positivo em sua comunidade além de melhorar a imagem corporativa. Como se trata de um estabelecimento que utiliza a exploração de recursos minerais, esses efeitos são importantes para obter um bom posicionamento como marca socialmente e ambientalmente responsável.

E as médias empresas?

Os negócios de porte intermediário também se destacam no cenário. Por causa das leis de incentivo, eles são ainda mais favorecidos. A apuração dos lucros e a obtenção de abatimentos fiscais gera um acesso otimizado ao patrocínio de projetos, então, é mais fácil convencê-los. Veja alguns cases de sucesso.

7. Cacique

A Companhia Cacique de Café Solúvel é um exemplo de médio empreendimento que investe no marketing cultural.

As principais realizações são as que acontecem em Londrina. Os projetos incentivados incluem o Festival Unicanto de Corais, o Festival de Música de Londrina e a Orquestra de Câmara Solistas de Londrina.

O principal efeito foi o aumento do reconhecimento regional, objetivo declarado em sua estratégia.

8. Pif Paf

Já a Pif Paf é voltada para ações culturais que geram bons impactos na comunidade. Em comemoração aos seus 50 anos, a marca promoveu o Projeto Cinema na Praça, por exemplo. Também foi patrocinadora do programa MasterChef Júnior e do Museu de Brinquedos, em Minas Gerais.

Isso ajuda a obter destaque mesmo em um mercado concorrido e com players de maior desempenho. Como resultado, o empreendimento consegue atingir uma performance ampliada.

9. Panco

A Panco, marca de pães de alcance nacional, tem uma atuação mais tímida mas não menos importante.

O projeto Senninha no Mundo das Palavras Encantadas, por exemplo, incentivou a leitura em algumas regiões de São Paulo. A empresa também patrocinou a Filarmônica Jovem de Piracicaba, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo.

Com tais ações, o estabelecimento reforça o seu posicionamento familiar e consegue se aproximar dos consumidores com o destaque necessário.

Quais são os benefícios de investir em projetos culturais no Brasil?

Seguir o exemplo dessas empresas traz excelentes oportunidades para o negócio. Mais que apenas aumentar a exposição e o alcance de marca, o investimento em realizações do tipo possibilita a conquista de resultados comerciais melhores. Para descobrir quais são as principais vantagens, veja quais são os efeitos.

Possibilidade de incentivos fiscais

Ao criar uma política para incentivo de projetos, é possível dar preferência para aqueles que trazem incentivos fiscais. Esse mecanismo funciona da seguinte forma: o proponente envia a proposta para o órgão público correspondente, o qual, depois de uma análise, permite a captação de determinada quantia. Então, pessoas físicas e jurídicas podem patrocinar o projeto e abater o montante concedido da declaração de impostos. Na prática, o apoio sai de graça. Isso ajuda a simplificar a elaboração das declarações, bem como torna a etapa ainda mais atrativa por não gerar custos extras.

Aumento do valor agregado à marca

O valor agregado envolve todas as estratégias de comunicação, relacionamento e oferta. Uma marca de luxo, por exemplo, oferece algo além de produtos de qualidade: ela cria experiências únicas. Quanto maior for esse aspecto, mais as pessoas estarão dispostas a consumir e melhor será o posicionamento da empresa no mercado.

O patrocínio de projetos culturais no Brasil ajuda exatamente nesse sentido. Por meio da transferência de valores, a empresa consegue se posicionar como sustentável ou inovadora.

O Mill Valley Film Festival, por exemplo, fechou uma parceria com a PG&E Corporation. Entre as contrapartidas, o patrocinador tem acesso às propagandas nas salas de cinema, menções nas redes sociais e exibições especiais. Como resultado, a marca possibilita novas experiências e tem mais valor agregado.

Reforço da Responsabilidade Social Corporativa

A alteração no valor agregado também está ligada à mensagem que o negócio transmite. Graças a esse apoio, o empreendimento consegue ampliar a sua Responsabilidade Social Corporativa (CSR), já que se envolve com questões como cultura, acessibilidade e economia criativa.

O laboratório Farmanguinhos foi um parceiro social no Festival Juventude na Favela. Isso ajudou a posicionar a marca como preocupada com a parte jovem da população e a situação de vulnerabilidade social. Assim, ela consegue transmitir uma preocupação concreta em vez de ficar apenas no discurso.

Mudança na percepção e no relacionamento com o público

marketing de relacionamento é cada vez mais importante para os negócios. É preciso estar perto do público e falar com ele de uma forma diferente para conseguir resultados melhores. Por meio do patrocínio a projetos culturais, isso é possível.

O aumento de valor agregado e o reforço de CSR, por exemplo, alteram a percepção das pessoas sobre o empreendimento, tornando-a mais positiva. Os indivíduos, então, passam a querer estar perto da marca e isso favorece a fidelização.

Esse é um recurso muito utilizado no futebol. Em geral, os empreendimentos que aparecem nas camisas dos times recebem a preferência dos torcedores, o que fortalece o relacionamento.

Diferenciação de mercado

Em um cenário competitivo e com opções muito parecidas, é essencial buscar um meio de se destacar. Nesse sentido, a estratégia de patrocínio de projetos culturais no Brasil é uma excelente oportunidade.

Todas as melhorias anteriores fazem com que a marca ganhe mais projeção. As pessoas sentem uma conexão emocional com o empreendimento e, como consequência, tendem a escolhê-la. Por consequência, isso permite ao estabelecimento sair à frente dos outros.

A Grendene, por exemplo, disputa espaço de varejo. Então, para conseguir se posicionar melhor, oferece apoio a projetos locais como “Festejos Natalinos — Cultura Popular no Cariri”, “Concerto de Natal de Sobral” e “Centro de Cultura e Arte da Amafa”. Ela mantém fábricas em todos esses lugares, então há um reforço no destaque em relação aos concorrentes.

Conhecer as grandes e médias empresas que patrocinam projetos culturais no Brasil é uma forma de saber por onde começar. O portal VERSALIC, do MinC, ajuda a explorar quem são os patrocinadores da sua região. Ao entender como a sua realização pode auxiliar o negócio, é ainda mais fácil obter o “sim” para a obtenção de recursos.

Agora que você conhece as melhores possibilidades, compartilhe este post nas suas redes sociais e espalhe a informação!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como podemos te ajudar?