Blog

Mitos da Lei Rouanet: esclarecemos as principais dúvidas para você

Mitos da Lei Rouanet:

esclarecemos as principais dúvidas para você

 

A Lei Rouanet é o nome mais famoso da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Trata-se do principal mecanismo de fomento cultural do país, o que a torna uma importante ferramenta da sociedade. Mesmo assim, há diversos mitos da Lei Rouanet que circulam em matérias e em conversas entre amigos.

O grande problema é que essas inverdades fazem com que muitas empresas tenham dúvida sobre a possibilidade de recorrer a ela. Então, nada melhor do que esclarecer esses pontos e entender qual é a sua importância.

A seguir, veja quais são as afirmações que não correspondem à realidade e entenda o que realmente há por trás desse mecanismo. Vamos lá?

“A Lei Rouanet é só para artistas grandes ou amigos do governo”

A mentira mais propagada de todos os tempos sobre essa possibilidade tem a ver com questões políticas. A ideia é que somente os artistas e proponentes que são “amigos do governo” presente teriam chances de ter projetos aprovados.

No entanto, esse é um dos mitos da Lei Rouanet mais fáceis de desconstruir. Em primeiro lugar, não é o “governo” que permite ou não a captação de recursos pela lei. O processo é dividido em várias fases, que vão desde a análise de viabilidade técnica até o parecer da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC). No final, fica a cargo do Ministério da Cultura (MinC) definir se o projeto receberá ou não sinal verde.

Na prática, significa que quem ocupa a cadeira de presidente não tem qualquer influência sobre quem terá o aceite do MinC ou não. Então, os laços de “amizade” com o Executivo caem por terra.

Além disso, todas as análises são feitas do ponto de vista técnico e de cumprimento dos requisitos da lei. Não há um julgamento quanto ao mérito do projeto ou do proponente — apenas se as características são adequadas. Então, mesmo quem está alinhado com as pautas do governo pode não conseguir o sinal verde se não seguir todas as regras.

Por fim, uma pesquisa rápida permite reconhecer que até críticos de governos já obtiveram a aprovação de captação. O processo é idôneo e garante que todos tenham chances iguais.

Em relação aos artistas famosos, novamente, não há um julgamento sobre a fama ou importância do proponente. O único elemento considerado é o projeto. Se ele atende às expectativas, é aprovado — seja de um artista nacionalmente conhecido, seja de quem propõe pela primeira vez.

“A Lei Rouanet diminui os investimentos em segurança, saúde e educação”

Por envolver um ministério e se tratar de uma lei federal, muita gente acha que esse mecanismo “retira” o dinheiro que seria investido em creches, escolas, hospitais ou políticas de segurança. No entanto, a maior parte dos recursos vem das próprias empresas.

Ou seja, na prática, o governo praticamente não destina dinheiro para a cultura. Em vez disso, ele “terceiriza” essa função para os empreendimentos — normalmente, aqueles da iniciativa privada.

Tudo isso é possível por conta da renúncia ou incentivo fiscal. Funciona assim: as empresas que patrocinam projetos aprovados podem abater até 4% do Imposto de Renda na próxima declaração. Na prática, o apoio sai de graça.

Considere um negócio que paga R$ 10 milhões de IR. Por ano, pode abater até R$ 400 mil por meio de projetos incentivados. Então, na declaração seguinte, ele deve apenas R$ 9,6 milhões.

Esses R$ 400 mil não saem do orçamento do governo. Tudo é custeado, exclusivamente, pelas empresas, que decidem quais projetos apoiar.

“Só projetos lucrativos são aprovados pela lei”

Também existe a ideia de que somente as realizações culturais lucrativas ou de grande porte podem receber a autorização para a captação. A verdade é bem diferente disso e tem de ser conhecida.

A princípio, não há qualquer distinção. Tanto projetos com capacidade comercial quanto os com dificuldades recebem o sinal verde de captação. No entanto, o entendimento jurídico tem mudado nos últimos anos.

Agora, há a indicação de que as realizações com alto potencial lucrativo ou com capacidade de atrair parcerias privadas não possam captar os recursos. Isso aconteceu, principalmente, por causa do Rock In Rio. O festival milionário de música já utilizou a lei, o que, para muitos, não é considerado justo.

Pensando nisso, novas regras determinam que o lucro pode, sim, existir, mas que ele não deve ser “exorbitante”. Então, atividades com pouco potencial de gerar lucro ganham ainda mais destaque.

Para os patrocinadores, isso não é um problema. Afinal, os principais ganhos decorrem das contrapartidas, como os naming rights, o reconhecimento de marca e o relacionamento com o público.

“Não existe fiscalização e os recursos são desviados”

Nos últimos anos, a Polícia Federal realizou algumas operações que terminaram com pessoas acusadas de desviar recursos da Lei Rouanet. Isso criou o sentimento de que é fácil burlar o mecanismo ou mesmo que não existe fiscalização.

Esse é um dos maiores mitos da Lei Rouanet porque as operações só foram possíveis, no nível em que chegaram, graças aos elementos de controle do MinC. Todo proponente é obrigado a prestar contas do que foi gasto, o que exige alinhamento com o orçamento apresentado.

Se houver alguma incongruência, o ministério pode aprovar com ressalvas ou solicitar explicações e documentos extras. Se o proponente não puder comprovar o uso, há a reprovação.

No caso das operações policiais, o próprio ministério encaminhou os indícios de desvios. Portanto, trata-se de um mecanismo que tem o devido controle para que tudo saia como manda a legislação.

“A lei não tem influência ou não ajuda a sociedade de nenhum modo”

Não menos relevante, há a ideia de que a Lei Rouanet é, na verdade, apenas uma burocracia dispensável. Muita gente ainda reproduz o discurso de que cultura não é importante — ou, ao menos, não tão destacável quanto saúde ou segurança.

No entanto, desde a sua criação, a Lei Rouanet apresenta números impressionantes e que afetam positivamente a economia. Desde 1993, já movimentou quase R$ 50 bilhões. O impacto direto foi de R$ 31 bilhões, enquanto o indireto de R$ 18,5 bilhões. A renúncia fiscal, por sua vez, corresponde a apenas R$ 17,6 bilhões do total.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas, o retorno da lei é de 59%. Na prática, cada R$ 1 investido retorna R$ 1,59. Além disso, há 251 mil empresas do setor cultural e elas dão origem a mais de R$ 10,5 bilhões em impostos. Ao total, o segmento criativo movimenta quase 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

Para os empreendimentos, o patrocínio é um jeito de aumentar a Responsabilidade Social Corporativa (CSR) e de alinhar os valores, o que melhora a imagem do negócio. Para os produtores, é um apoio importante que viabiliza as realizações.

Para a sociedade, os efeitos são ainda maiores. Com essa lei, é possível preservar, difundir e desenvolver a cultura nacional. Os impactos transcendem a área criativa e geram emprego e renda para milhares de famílias. Além disso, é um mecanismo que ajuda a oferecer lazer e conhecimento para todas as classes sociais.

Um estudo apoiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) demonstrou que a cultura cidadã transforma comportamentos e diminui índices de criminalidade. Então, a lei também ajuda a sociedade a enfrentar os seus maiores problemas.

Como sempre há novos mitos da Lei Rouanet, é muito importante ter cuidado com as fake news. Antes de acreditar em acusações sobre essa lei, apure os fatos reais para conhecer como tudo funciona.

Este artigo foi útil para entender melhor o funcionamento? Compartilhe o post em suas redes sociais e ajude seus contatos a ficarem por dentro da verdade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como podemos te ajudar?